Gramática em inglês: como usar as “If-clauses”

08/07/2014

Na hora de dar conselhos, discutir fatos cotidianos, falar sobre possibilidades, traçar novos planos, criar situações hipotéticas ou comentar as suas escolhas do passado: If you learn how to use the if-clauses, you’ll certainly be able to do all this in English! (Se você aprender a usar as if-clauses, certamente, conseguirá fazer tudo isso em inglês!). As If-clauses são as conditional tenses (frases condicionais) do inglês e a frase destacada acima é um exemplo desse uso. Em português, elas nada mais são que as sentenças que começam com “se”.

Bom, vamos ao que interessa: Você ficando craque ao se comunicar em cada uma dessas situações. Para isso, selecionamos os quatro tipos de if-clauses mais usados em inglês:

Zero Conditional
Esse uso é fundamental para quando você quer apresentar um fato, ou seja, alguma coisa de que você tem certeza ou que acontece com bastante frequência. Assim como todas as if-clauses, a Zero Conditional é formada por duas sentenças, geralmente ligadas pelo “if”. Ela é marcada pelos verbos no presente:

If grandma goes to the supermarket on foot, her legs hurt.
(Se a vovó vai ao supermercado a pé, as pernas dela doem.)

Também é possível usar o when ou unless, que funcionam como as palavras “quando” e “a menos que” em português:

I feel very good when I go on a trip.
(Eu me sinto muito bem quando viajo.)

Don’t wake me up unless Beth gets back home early.
(Não me acorde a menos que a Beth volte para casa cedo.)

Falamos sobre a Zero Conditional no English Experts também, se você quiser ler um pouco mais.

First Conditional
Essa é ideal para as mães! A First Conditional é ótima para dar conselhos ou impor condições. A sua estrutura se parece com a da Zero Conditional, mas enquanto o verbo da if-clause aparece no presente, o da sentença principal é usado no futuro:

If you don’t take a coat with you, you’ll be cold at night.
(Se você não levar um casaco, vai ficar com frio à noite.)

She won’t pass the year unless she studies hard.
(Ela não vai passar de ano a menos que estude muito.)

Second Conditional
Se a intenção é falar de situações hipotéticas no presente ou no futuro, use a Second Conditional. Nela, o verbo da if-clause é usado no simple past e o da sentença principal é acompanhado dos modais “would”, “could” ou “might” (clique para saber mais sobre esse modais):

If she had a car, she could see her boyfriend every day.
(Se ela tivesse um carro, poderia ver o namorado todos os dias.)

Como estamos falando de situações hipotéticas, o verb to be é usado de uma maneira um pouco diferente nesses casos. Mesmo para he, she, it e I, o verbo usado é o were:

If I were you, I wouldn’t spend so much money on clothes.
(Se eu fosse você, não gastaria tanto dinheiro com roupas.)

Third Conditional
Aqui, continuamos falando de situações hipotéticas, mas agora sobre o passado, ou seja, é para quando queremos comentar algo que não aconteceu (ideal para chorar pelo leite derramado!). Para isso, usamos o verbo da if-clause no past perfect e o da sentença principal com o formato do present perfect, só que acompanhado novamente de “would”, “could” ou “might” , o que dá à estrutura a ideia de uma possibilidade que não aconteceu, bem diferente do present perfect de fato:

If they had planned better, they might have already moved to England.
(Se eles tivessem se planejado melhor, talvez já tivessem se mudado para a Inglaterra.)

Mesmo com alguns exemplos apenas, já dá para perceber que podemos usar as if-clauses para falar sobre diversos assuntos em diferentes momentos, não é? Então, saber como usá-las pode nos deixar muito mais seguros na hora de falar inglês, o que é fundamental para a fluência na língua.

Que tal você treinar esse uso nos comentários desse post, dando exemplos de frases que podem ser ditas nessas situações? If you practice, you’ll learn much faster and easier. (Se você praticar, aprenderá muito mais rápido e fácil.) Vamos lá, agora é a sua vez!

Bárbara Braga

Estudo Letras na USP e trabalhei na equipe de conteúdo da Englishtown.Quando criança, descobri a afinidade por aprender novos idiomas. Meu grande hobby é observar as línguas e o uso que fazem delas. Afinal, isso pode contribuir para meu grande sonho de viajar o mundo.
Bárbara Braga