A cultura irlandesa: Hurling

Crescer na Irlanda foi uma experiência divertida. Eu costumava brincar em castelos antigos e praticar esportes irlandeses. Um de meus esportes favoritos para ver e jogar era o hurling.

Hurling é jogado em um campo e é considerado o esporte de campo mais veloz do mundo. Este esporte tem mais de 3000 anos e ainda é amplamente praticado.

O objetivo do jogo é to score a goal (marcar um gol) usando o hurley (taco) ou camán em gaélico irlandês para hit the ball (acertar a bola, que também é chamada de sliotar, em gaélico irlandês). O gol se parece com um gol de rugby.

Ver um jogo ao vivo é espetacular. Você consegue ver por volta de 50 gols em um só jogo. Apesar de ser considerado um esporte violento, os torcedores de times opostos ficam lado a lado no estádio Croke Park para assistir ao espetáculo que é a final do The All Ireland. Como país, não gostamos de misturar violência e esporte. A violência só é permitida no campo.

Hoje, é possível ver o hurling sendo jogado em outros países europeus, norte-americanos, e também na Austrália, na Nova Zelândia, na África do Sul e até na Argentina. Eu adoraria ver alguns brasileiros entrando nessa onda e começando a praticar este esporte. Para ajudar a lançar a moda, veja as regras básicas:

 

  • Um time tem 15 players<(jogadores) chamados de hurlers.
  • O hurley (taco) tem entre 79 cm e 100 cm.
  • A ball ou sliotar é feita de rubber (borracha) e envolta em leather (couro). Ela tem entre 69 mm e 72 mm, pesando entre 110 g e 120 g.
  • O hurley do goalkeeper (goleiro) é maior.
  • A bola pode voar a até 150 km/h.
  • Se a bola passa por cima da barra, vale um ponto. Se a bola passa por baixo da barra, é um goal e vale três pontos.

 

 

Eu adoraria ver a final ao vivo no dia 08 de setembro em Croke Park, mas, morando no Brasil fica complicado. Então, sugiro aos brasileiros começarmos um campeonato deste esporte tipicamente irlandês, o que vocês acham?

Escrito por Stephen Grennan

Stephen Grennan

Stephen é da Irlanda, onde começou a ensinar inglês. Foi lá que ele conheceu sua esposa brasileira, Ana Paula.
Tendo viajado pelo mundo todo, ele aprendeu a valorizar o aprendizado de idiomas como forma de vivenciar novas e maravilhosas culturas. Ele ama sua nova vida no Brasil e, atualmente, trabalha na EF Englishtown.

Você também pode gostar desses artigos

Deixe um comentário!

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados são obrigatórios